segunda-feira, 4 de abril de 2022

Carnaval 2022: Primeiras Impressões de Tokyo Magnitude 8.0

Achou que não ia ter Carnaval neste blog, otaku? ACHOU ERRADO!

Chegou o #CarnaKimono2022, o Carnaval do Kimono Amarelo!
Do dia 01/04 (sexta-feira) até 05/04 (terça-feira), você confere uma programação totalmente especial para quem não aguenta desfile de escola de samba, odeia bloquinho de rua e quer mais é que confetes e serpentinas fiquem longe!

Confira a abertura oficial do CarnaKimono e venha fazer a festa conosco! #SeloLaFolia

Como funcionam os posts de Carnaval:
-Assistirei e comentarei os TRÊS primeiros EPISÓDIOS do anime escolhido;
-Independente de gostar ou odiar o anime, não existe nenhuma garantia de que eu vá analisá-lo semanalmente;
-Não importa se a história só vai se desenvolver depois de N episódios, o texto traz primeiras impressões, e não "vou ver a série completa".

Sem choro, reclamação ou chiliques. Este é o esquema de Carnaval aqui.
Ficha técnica
Título: Tokyo Magnitude 8.0

Diretor:
Masaki Tachibana
Estúdio: Bones, Kinema Citrus
Temporada: Julho/Verão 2009
(em inglês)
Total de episódios: 11
Onde assistir?: Crunchyroll
  
Tokyo Magnitude 8.0
1º episódio
Mirai Onozawa descobrindo que o Kimono Amarelo vai falar mal dela.
Opinião: 2021 foi um ano muito complicado para mim e, apesar disso, uma oportunidade maravilhosa surgiu: trabalhar com animes.

Ainda bem que não é desenhando, senão eu morreria de fome, né?

O primeiro anime que trabalhei como Quality Checker (checadora de legendas) foi Tokyo Magnitude 8.0. Uma série já encerrada que entraria para o catálogo da Crunchyroll.

Foi uma ótima experiência, trabalhei com uma equipe muito querida e bastante paciente com as minhas "novatices" (Aline na tradução e Skarz na edição)... mas dado o período em que tudo aconteceu e com o desenrolar da trama do anime, acabou sendo um tanto dolorido.

"E por que trazer análise disso então?" - Porque vence o carinho e a representação desse anime na minha vida. Sem falar que tenho zero obrigações de analisar os ONZE episódios, então já deixa o coração mais tranquilo.

Gente, é Carnaval! Tem período melhor que esse para fazer análise só dos três primeiros episódios? ehehe

"Gente, é Carnaval! Tem período melhor que esse (...)" - Aí eu trago um anime de drama. AHAHAHAHAHAHAHAHA! É a vida, leitor.

Bom, bora assistir o primeiro episódio e depois fazer os devidos comentários!

Então...
Eu pulo a abertura de Tokyo Magnitude, porque... eu vi essa abertura um monte de vezes... não sou obrigada, sabe? E eu gosto mesmo é do encerramento.

A sensação é muito estranha.
Desde que trabalhei nessa série não cheguei a assistir a versão final (a disponível no site), coisa que faço atualmente com outros títulos em que estou trabalhando.
BOM, AS OUTRAS SÉRIES NÃO SÃO DE DRAMA, ENTÃO...

Segue o baile, leitor.
Pré-adolescente é motivo de chacota entre crianças. Entenda.
Difícil estudar com gente rica, hein? Uma vai pro Caribe nas férias e a outra pro Canadá... Se bem que pode ser mentira também, né? Nunca cheguei a pensar nessa possibilidade.

Ah!
Uma coisa muito divertida que prestei atenção na época e que vou compartilhar com vocês!!! Este anime foi feito por dois estúdios, Bones e Kinema Citrus. No relógio de parede da escola, tem a "marca" do relógio. E adivinha só qual é o nome? Kinemac.

É o tipo de easter egg que acho divertido.

A ZOEIRA QUE É ESSE MOLEQUE CHAMANDO A MIRAI DE "VICIADA EM CELULAR"! Eu não tenho a mínima condição, sociedade.

Gente, eu amo tanto o Yuki.
Esse pirralho é tão cuti-cuti...

Ah, falando nisso, não pretendo dar spoiler sobre o que acontece depois do terceiro episódio para não estragar a experiência de ninguém.
 
Cada episódio vai contar com uma análise própria. CLARO QUE EU POSSO DAR UMAS DICAS SOBRE O QUE FICAR DE OLHO e talvez uns spoilers sem contexto ou disfarçados, mas nada que seja PÁ! De cortar o hype de ninguém, beleza?

Se eu falar que aquela torre lá longe é a Torre de Tóquio, será que vou cair na cilada do Karasuno (T2E07)? Ou de Jujutsu Kaisen (03)? Qual a diferença entre uma torre de transmissão e a Torre de Tóquio?

Piadas otakus. Muito otakus.

Eu perco tudo com a fofura do Yuki.
A Mirai imita a mãe falando sobre o bolo e... Caramba, ficou parecida mesmo!
A RISADA DO YUKI É LINDA DEMAIS, SOCIEDADE! BORA PROTEGER!

Gosto que ele sabe pegar onde "dói" nela, né? Falou de fissurada em celular, daí a menina saiu do celular... pra tacar uma meia nele.

Todo relógio na parede é do Kinemac.
BONES, CADÊ A SUA PARCELA NOS PRODUTOS TAMBÉM?

Ah, lembrei do 3D feio... hahahaha

ÓIA A ENTREGADORA!!!
 
Robô "KINE MAC"... KINEMA CITRUS, VOCÊ TÁ MUITO METIDO!!!

GENTE.
EU TÔ TENDO UNS TRECOS AQUI...
ÓIA A ENTREGADORA DE NOVO!!!
Sim, se acostumem a vê-la bastante.

Bom, terminei o episódio e... Sim, continua bastante doloroso assistir esse anime.
Não tanto pelas lembranças da época, mais pela própria história de Tokyo Magnitude 8.0.

É sério, leitor.
Se não estiver bem, pule este anime, pois ele é ladeira abaixo.
Em questão de sofrimento, bate forte. Portanto, se não estiver muito legal, deixe para uma próxima oportunidade.

Aos que gostam de drama, de chorar e de cenário apocalíptico, este é com certeza um dos bons títulos que você vai poder acompanhar.

Chega de conversa, bora de Telecurso do Sofrimento - Saber de tudo e rever é realmente doloroso.
O Yuki retrucando a irmã é a coisa mais linda que você verá neste anime.
Vamos começar com algumas informações técnicas!

A abertura é "Kimi no Uta" de abingdon boys school e o encerramento é "M/elody" de Shion Tsuji. Particularmente gosto mais da música do encerramento e da animação.

Temos a Mirai, o Yuki e a entregadora em fotos de vários lugares de Tóquio, como se os três estivessem passeando. A "photoshopagem" para que pareça mesmo que os personagens de anime estão no mundo real é bem bacana.

E se você, ao contrário da blogueira aqui, prestou atenção na animação da abertura, percebeu que a entregadora será figurinha carimbada no anime.

Temos aí então o contraste entre uma cidade em ruínas, completamente destruída, e no encerramento uma possível mensagem de esperança, mostrando que é possível superar as adversidades.

O 3D é muito usado no anime, principalmente quando precisa mostrar uma grande quantidade de pessoas se locomovendo, além dos robôs, meios de transporte, a ponte por onde a dupla de irmãos passou e por aí vai.
 
Vai se acostumando a ver principalmente o choque entre o 3D e a animação, pois são bem destoantes um do outro.

Certo, leitor, bora analisar a história!

Temos aí uma família de quatro pessoas com uma filha mais velha entrando na puberdade, um filho mais novo cheio de energia, uma mãe trabalhadora que faz jornada dupla e um pai trabalhador meio folgadão e covarde.

Neste primeiro episódio somos apresentados à família Onozawa e acompanhamos principalmente Mirai, afundada no seu tédio.

A garota está naquela fase caótica entre a saída da infância e entrada na adolescência, período em que qualquer ser humano se torna insuportável.
 
Não querem mais ser tratados como criança (ok, concordo), acham tudo um saco, não parecem ter perspectiva para o futuro e não têm muita noção de como interagir com os outros, principalmente os que estão fora da sua bolha de amizades.

A Mirai é muito grossa com o Yuki, seu irmão mais novo, e isso infelizmente faz parte da puberdade. Essa vontade desesperada de se afastar da infância e ter certa independência, faz com que ela sempre rejeite o irmão.

Bom, leitor, se a sua puberdade foi mil maravilhas, gostaria de deixar claro que isso é estranho ou que você não teve consciência das diversas merdas que praticou no período. Portanto, o comportamento da Mirai não é tão fora dos padrões.

É correto? De jeito nenhum.
Mas fases complicadas precisam de apoio emocional, conversa (terapia) e tempo.

Os pais não têm tempo para se atentarem a isso, pois precisam trabalhar, e o irmão mais novo... Bem, ele é mais novo, então fica difícil pedir empatia.
E vemos o quanto o Yuki sente falta daquela família unida, como na foto que tiraram na frente daquela ponte. Editado: Só no final do post descubro o nome da ponte. Sério, vai vendo...

Numa tentativa de resgatar aquele convívio e carinho, quando provavelmente a irmã era mais amorosa e cuidava dele, Yuki decide fazer um programa em família, justamente passando pela mesma ponte.

Apesar das férias de verão terem finalmente chegado, os pais trabalham e sobram apenas os irmãos. Mirai, claro, com aquela boa vontade típica de pré-adolescente que só enxerga o próprio umbigo.

FALANDO EM UMBIGO...
O bolo em fatias... ou melhor, as fatias de bolo.
Se eu quisesse dar aquela groselhada filosófica, diria que as fatias de bolo representam os membros individualizados da família, e que um bolo inteiro seria a união deles.

Bom, como este blog não tem compromisso com esse tipo de análise, VAMOS AO QUE INTERESSA: BOLO!

Leitor, se na sua família nunca teve reclamação de sabor de bolo no dia do aniversário, parabéns. Na minha sempre tinha alguém que não gostava ou preferia outra coisa. or isso achei interessante esse negócio de comprar fatias separadas, assim cada um come o quer.
O sorriso dessa criança é tão puro... que está limpando meus olhos! Espera... Isso são lágrimas?! EEEEEEITA! QUEM É QUE DEIXOU CHORAR A ESSA HORA?
E... Mirai, eu saquei essa de querer um bolo inteiro, viu? DEU PARA NOTAR A SUA LOMBRIGA SE RETORCENDO NAS TRIPAS AÍ!

A melhor parte é quando o Yuki está meio tristinho, daí ela diz que tem bolo.
YUKI, MELHORES CRIANÇAS.

Também dá para perceber que em alguns momentos a Mirai se dá conta de como é grossa com o irmãozinho e tenta limpar sua barra com alguma coisa.

E... CARAMBA, GENTE.
O que o Yuki leva de patada... Eu já teria chamado o conselho tutelar, sabe?
Aquele menino é um lindo bebê. É uma coisinha cuti-cuti! É INDEFESO E FOFÍNEO! Não pode ficar levando esporro gratuito!

O QUE FOI QUE ESSE MENINO FEZ PARA MERECER TANTA DESGRAÇA?
Aí é que está, leitor... Nada. Já dizia o Fullmetal Alchemist da vida: coisas ruins também acontecem com pessoas boas.

TÁ ERRADO? SEMPRE!
Só que não tem muito como evitar... (Tirando o roteirista sádico, é claro)

Apesar disso, o passeio que poderia ser só mais um nos dias entediantes da vida de Mirai, recebeu uma reviravolta: o famoso abalo sísmico que dá nome ao anime.

Se você acabou se lembrando do terremoto que atingiu Tohoku onze anos atrás, saiba que Tokyo Magnitude estreou dois anos antes desse terremoto. É, leitor, isso deixa tudo ainda mais perturbador.

Antes do acontecimento catastrófico, como se estivesse obedecendo as vontades de uma pré-adolescente mimada, a dupla de irmãos encontrou A ENTREGADORA.

Ela estava ali, como quem não queria nada, e fez rápidas aparições. Uma na rua tomando água e depois na loja de presentinhos.

Moça boazinha, pedindo para os dois terem cuidado, afinal, são crianças e o evento era lotado de gente... E a Mirai novamente com aquela atitude de "não me compare a crianças" e "não gosto de adultos, pois são todos ruins".

Sabe o que eu tenho a dizer para você, leitor? A gente só dá valor quando perde.
Se isso foi um spoiler disfarçado? Nah... Foi um conselho para a vida.
 
Tokyo Magnitude 8.0
2º episódio
Ih, amiga, más notícias: este é apenas o SEGUNDO episódio de ONZE!
Opinião: Sabe aquela frase "cuidado com o que você deseja"? Pois bem, é praticamente o tema recorrente deste anime.

Falarei sobre o 3D doloroso? SIM! PORQUE TODA VEZ QUE ELE APARECE, DÁ DOR DE CABEÇA VER ALGO TÃO DESTOANTE!!!

Ah, e se prepara, leitor. A partir deste episódio o que a Mirai chama pelo Yuki, NÃO ESTÁ ESCRITO NEM NAS ESTRELAS! É tanto "Yuki" que quem não aprendeu o nome do pirralho, APRENDE NA BASE DA REPETIÇÃO!

Uma das principais preocupações de todo mundo depois de um grande terremoto, são os abalos secundários. Normalmente são de menor intensidade, contudo, dependendo da escala do primeiro, eles podem ser fortes.

MARI KUSAKABE SALVANDO A BUNDA DE MIRAI ONOZAWA PELA SEGUNDA VEZ SÓ NESTE EPISÓDIO. Num terceiro salvamento, vocês já sabem, né? Música no Fantástico (Globo)!

Gente, o Yuki é tão puro, que só de segurar a mão da irmã, ele já dá um sorrisão. ESSA CRIANÇA, SOCIEDADE, É UM ANJINHO! SÓ MERECE AMOR E CARINHO! É UM BEBÊ! EU ODEIO ESSE ANIME!!!

E acabou o episódio! Hora de alegria, porque o encerramento é gostosinho demais!!! Em seguida, vamos de Telecurso de Intensidade - Mil na Escala Kimono de Sofrimento!

Sempre que eu via alguém comentando que anime tal era muito importante em sua vida, só que trazia uma forte carga emocional, ficava confusa.

Na maioria das vezes fujo de animes de drama ou que possam mexer demais com os meus sentimentos, então não conseguia entender essa relação.
Bom, Tokyo Magnitude veio para dar esse horrível soco na minha cara e dizer "chegou sua vez, otária".

Todo episódio que eu assisto é aterrorizado pelas cenas vindouras de sofrimento. POR QUE TENHO QUE LEMBRAR? POR QUE TENHO QUE REVIVER TODA AQUELA DOR? POR QUE O ROTEIRISTA DESSE ANIME É TÃO CRUEL?

Antes de analisar o que foi esse pós-terremoto, vamos falar de... ELENCO DE DUBLAGEM!

Mirai Onozawa, a pré-adolescente insuportável, é dublada por Satomi Hanamura.
Seus principais papéis são: Lisa Livingstone de The Reflection (Studio Deen), Aya Okamura de Dareka no Manazashi (CoMiX Wave Films), Anise Azeat de Galaxy Angel Rune (Satelight), Mayoi Ayasato de Gyakuten Saiban 6 Prologue (A-1 Pictures, Capcom).

Yuki Onozawa, o anjinho deste anime, é dublado por Yumiko Kobayashi.
Seus principais papéis são: Shinnosuke Nohara de Crayon Shin-chan (Shin-Ei Anomation), Shoubu Kirifuda de Duel Masters (Studio Hibari, A.C.G.T.), Kazuki Fuuchoin de GetBackers (Studio Deen), Shiro de Hoozuki no Reitetsu, Black Star de Soul Eater (Bones).

Mari Kusakabe, a entregadora responsável, é dublada por Yuuko Kaida.
Seus principais papéis são: Garack Gazelt de Akagami no Shirayuki-hime, Marisa Hyoudou de Ballroom e Youkoso (Production I.G), Tsukuyo de Gintama (Sunrise), Shimei Ryoumou de Ikkitousen (J.C.Staff), Angelica Varley de Mahoutsukai no Yome, Sylsia Sherwood de Spy x Family (Wit Studio, CloverWorks), Isabella de Yakusoku no Neverland.

O elenco ainda conta com: Miyuki Sawashiro (Bishamon de Noragami), Wataru Hatano, Kikuko Inoue (Macrófago de Hataraku Saibou) e Aya Endou (Shouko Iieri de Jujutsu Kaisen).
 
Bom, sobre o episódio em si, ficamos com o cobre da tabela periódica na mão, afinal, Yuki estava dentro do prédio. Se do lado de fora já teve uma desgraceira, imagina dentro, né?
 
"Ah, mas o Japão não tem aquelas construções antissísmicas, que evitam o prédio de cair e coisa do tipo?" - Leitor, provavelmente é para abalos de menor intensidade.
 
Sabe o terremoto de 2011 que atingiu a região de Tohoku, onde fica a província de Miyagi? Pois bem, o epicentro foi a 24,4km de profundidade e aconteceu às 14:46h.

Como já comentado, Tokyo Magnitude estreou em 2009, dois anos antes do terremoto de Tohoku. O abalo sísmico no anime acontece no Porto de Tóquio a 25km de profundidade e às 15:46h.

Sinceramente, são coincidências bastante perturbadoras.
Lembrando que no começo do episódio sempre tem um aviso sobre os estudos que foram feitos para dar embasamento à obra.
Aqui a Mirai passou perrengue. Se não fosse a Mari, essa menina estava lascada.
"Ah, mas os japoneses aprendem desde pequenos como se comportar diante de um desastre desses..." - Aprender não quer dizer que você estará preparado no momento. Nem todo mundo tem a frieza de pôr em prática o que aprendeu fora do perigo. E isso vale para qualquer coisa e pessoa, independente da sua nacionalidade.

Abalos de até 4 na Escala Richter são razoavelmente compreensíveis, agora algo acima disso sempre assusta. Sem falar que é uma situação extrema, que causa estresse mesmo nas pessoas mais preparadas.

O que nos interessa aqui é a relação da Mirai com os adultos.
Apesar do acontecido, ela só recebe empatia e ajuda da Mari. O resto é extremamente egoísta ou insensível. Para que ser solidário se você pode salvar o próprio rabo, não é mesmo?

Quer queira ou não, a Mirai é uma criança e não está preparada para agir em momentos de crise. Às vezes é preciso se impor ou saber contornar situações delicadas, e sem a Mari a garota estaria MUITO ENRASCADA.

Mirai Onozawa quase morreu pelo menos duas vezes neste episódio e foi salva pela Mari.

Nota-se que quando acontece um segundo abalo mais forte, os adultos ficam próximos das paredes, só que a menina cai no meio do corredor e se encolhe ali. Se não fosse a nossa entregadora heroína, Yuki teria ficado sem irmã.

O mesmo acontece com aquela escadaria.
A inexperiência da Mirai faz com que ela corra muitos perigos, sem pensar nas consequências. A maturidade da Mari permite que ela tenha uma visão mais ampla de qualquer situação.

E que zica, hein? O terremoto desgracento caiu justamente no aniversário de sua filha, Hina.

Outro detalhe interessante neste episódio é justamente o contraponto entre Mari e Mirai. É como se a história quisesse mostrar à pré-adolescente, o lado dos adultos.
Quando ela reclama que a mãe só pensa em trabalho e não tem tempo para ficar com os filhos, bate em cheio na pobre entregadora. E daí ela mostra que sua ausência é para tentar dar melhores condições à filha, o que infelizmente acaba afastando as duas. Quanto mais se trabalha para juntar dinheiro, menos tempo se tem com as pessoas que amamos.

A participação da Mari na vida dos dois irmãos é uma tentativa de mostrar, principalmente à Mirai, o outro lado da vida adulta, de talvez olhar a mãe com um pouco mais de consideração.

Agora falemos do nosso anjinho: Yuki Onozawa.

Leitor, imagina a pessoa desesperada a cada episódio, pedindo para que o Yuki não morresse. Porque é basicamente isso que você pensa toda hora. Sim, zero preocupações e considerações com a Mirai, pois falta fofura nela.

Menino fofo dentro de prédio durante terremoto.
PRONTO! MORREU MENINO YUKI!

O bom é que a Aline e o Skarz sempre davam uns spoilers sem contexto, o que me deixava mais tranquila ou mais pilhada.

Sério, quando os policiais tiraram um menino desacordado, eu já estava: "Ai, meu Deos! É o Yuki!"
Daí a gente vê pessoas debaixo de prateleiras e começa a pensar no pior.
Nada de encontrar o raio do moleque, não estava no banheiro, nada na loja de brinquedos, onde está esse anjinho fofo...

Daí a Mirai lembra que falou para ele comprar algo para beber.
Correria até a loja de conveniência, moça pedindo ajuda, Mirai falando e... A VOZ DO NOSSO LINDO ANJINHO! DO BEBÊ MAIS MARAVILHOSO DE TOKYO MAGNITUDE!

NÃO É HOJE QUE O ROTEIRISTA MATOU O YUKI.
Estamos há dois episódios sem o Yuki, a Mirai e a Mari morrerem!
Agora mata a criança sufocada no abraço, né?
O que foi, leitor?
Se você confia em anime de drama, sinto muito te informar, mas está fazendo papel de trouxa. EU NÃO CONFIO EM ANIME DE DRAMA! QUANDO MENOS VOCÊ ESPERA... PÁ! MATOU MAIS UM!

*Deos Matoba: Mas isso é Tokyo Magnitude mesmo ou Tokyo 24 (CloverWorks)?*

AHAHAHAHAHAHAHAHAHA.
Deos Matoba fazendo piada com anime que eu ainda nem olhei a temporada...
 
Bom, piadas muito internas à parte, este episódio serviu só para dar aquele leve gostinho de desgosto do que nos espera mais para frente.

Oi?
Falar do bolo de aniversário?
Lembra que eu dei aquela leve groselhada sobre o bolo no primeiro episódio? Então volta lá e relê agora que você viu um bolo inteiro.
 
Eu até poderia enrolar mais ainda para aumentar um pouco esse texto, dizendo que as fatias dos Onozawa se comparados ao bolo da Mari, mostram mais aparência do que sabor. Ou seja, parece uma família bem estruturada, mas que não tem boas relações.

Enquanto o bolo da Mari, apesar de não parecer o melhor (família desestruturada?), continua inteiro, simbolizando a união entre os membros.

Aí, me diz se o texto não ficou um pouquinho maior? hehehe

"Inteiro", né?
Ele estava no baú da moto da moça, com certeza hermeticamente fechado (vi água escorrendo na rua no episódio anterior) e como a moto caiu... BLAU. O bolo não poderia ter ficado em perfeito estado, né?

É o famoso "entre mortos e feridos", deu para comer alguma coisa.

Acho compreensível a desconfiança da Mirai com a boa vontade da Mari. Nesses dois episódios o que essa menina menos recebeu de adulto foi empatia. Teve tiração de sarro, esporro, subestimação...

Acontece que a nossa adorável entregadora (que tem a mesma voz da Angelica de Mahoutsukai, o que a torna uma waifu material), certamente sentiu o instinto materno ou simples obrigação moral de cuidar daquelas crianças.

Vai, se você espontaneamente resolveu ter filho e mostra aquele nível de preocupação e carinho com ele, como que você vai ver duas crianças pequenas e assustadas e não vai ajudar? Ainda mais no desespero da Mirai de encontrar o irmão.

Confesso que até cheguei a desconfiar que Mari não voltaria, porém, na cena da moto, pensei: "Ela deve ter algo para comer no baú. Nossa... SERÁ QUE VAI PEGAR ALGUM LANCHE ALI QUE ERA PRA UM CLIENTE? Bom, nessas circunstâncias, acho que ele não vai sentir falta".

E ainda jurei que o bolo era de alguma entrega que ela precisava fazer.
ASSISTIR ESSES ANIMES SEM SABER DE NADA É MUITO DIVERTIDO. O tanto de erro e reviravolta de expectativa é hilário.
 
Tokyo Magnitude 8.0
3º episódio
Infelizmente continuo te dando as más notícias, Mirai: terceiro episódio de ONZE!
Opinião: Mirai perguntando se não é um pesadelo... QUEM DERA, AMIGA, QUEM DERA!

Eu acabo lendo a parte de comentários dos episódios para sentir mais ou menos o que o pessoal está achando e... Às vezes aparecem umas coisas bem... bem enérgicas.

Sim, gente, Mirai é uma pré-adolescente insuportável, mas é preciso entender a fase e o estresse da situação.

Nessa conversa em que ela é grossa com o Yuki e quase faz o nosso anjinho de açúcar chorar, também é necessário perceber que a menina não passa de outra criança. Como você vai esperar maturidade de alguém de 13 anos?

"Ah, mas fulano quando tinha tralálá anos..." - Existem exceções e gente realmente incrível, só que estamos falando de uma pré-adolescente padrão, não um pessoa que passou por sei lá quais adversidades ou foi orientada por sei lá quem.
É uma menina comum de uma família padrão. Vai mesmo esperar que alguém assim salve o mundo?

Sabe, galera, isso aqui não é um shounen de lutinha, sinto informar.
E muito menos um belo mahou shoujo, então vamos com calma aí!

Sim, a Mirai está errada em agir assim e dar esporro no Yuki, só que ela também está apavorada. Para não ter que pensar nas piores hipóteses, a menina quer evitar o assunto. É compreensível.

Já o pequeno quer sentir alguma segurança num momento instável como esse.
O Yuki vê na Mirai um porto seguro. Apesar de também ser uma criança, ela é a irmã mais velha e representa essa figura que o menino tanto estima.

Aliás, por mais que a garota seja extremamente estúpida, o Yuki é tão amoroso e tem tanta consideração pela família, que segura a bronca e tenta deixar os momentos mais leves para a irmã.

Yuki, meu anjinho, a Mirai não te merece. Você é um bebê puro e fofo.

A MARI TIRANDO COM A CARA DA MIRAI!
GENTE, ISSO É LINDO DEMAIS!

Quando eu lembro dessa promessa, eu dou uma gargalhada tão culpada... Só lembro da Aline zoando... Se bem que se você continuar assistindo o anime, fatalmente vai se deparar com a risada pelo absurdo.

E falando em "risada pelo absurdo", finalmente apareceu aquele problema que citei em High Guardian Spice #01: foquei nas legendas como se estivesse trabalhando.
 
Não tem jeito, de vez em quando entro no modo automático e... "Pera, por que eu tô me preocupando com o tempo de tela da legenda? Por que tô pausando pra conferir a frase? Esse trabalho já foi entregue, miga, para!"
 
Acontece com outros animes? Não.
Claro que se tem algum erro, eu pauso o episódio e anoto para enviar depois.
 
Aliás, se você encontrar algum erro na legenda, envie por esse formulário.
Mande o nome do anime, o número do episódio, a minutagem (Ex: 04:36 minutos) e qual o problema na frase. Seja educado, afinal, você não é a Mirai Onozawa.

Olha a blogueira encantada que reconheceu o tal "Píer Hinode" por causa de Odd Taxi. Sim, leitor, terminei o anime hoje (dia em que escrevi o post). Pois é, leitor, faz um tempão que estou trabalhando nesses textos. E... sim, assisti Odd Taxi inteiro, é muito bom e recomendo.
Não aguentei e printei o filhinho da moça que o carrinho ficou preso na calçada.
Sabe o que me deixa MUITO REVOLTADA? Tem uma moça com um filho pequeno e outro que está na cadeirinha, UMA PORRADA DE GENTE PASSANDO DO LADO e nenhum arrombado para ajudar. Precisou a Mari aparecer e ajudar a coitada.
 
MALUCO, A EMPATIA PASSA LONGE nos momentos de desespero, né?
E o negócio é que nem está rolando tragédia, as coisas estão mais ou menos ok e NINGUÉM AJUDOU A MULHER!!!
 
"Nossa, os japoneses são assim?" - Não é questão de nacionalidade, leitor. Sempre tem a parcela escrota da população em qualquer parte do planeta. Fica a dica.
 
Mari Kusakabe faz tudo neste anime, é impressionante. QUE MULHER!
 
Mirai reclamando que a Mari fez a promessa de não sair de perto sem avisar... e quebrou. PRONTO, LEITOR, JÁ PODE DAR AQUELA RISADA GOSTOSA! Eu nem lembrava que já era nesse episódio que acontecia essa zoeira!
 
Mas, poxa...
Todo mundo andando calmamente e vocês viram para onde ela ia, né?
QUE CHILIQUE FOI ESSE, MIRAI! Tenta dar bronca quando tiver um motivo mais forte, sabe? Assim a gente não compra seu argumento.
 
Sociedade, agora ajudar os outros virou "enxerimento".
MIRAI, A GENTE TENTA TER EMPATIA POR VOCÊ, SÓ QUE PRECISAMOS DE COLABORAÇÃO, SABE?
 
"Pipipi pópópó não sou mais criança" - Mirai, vocês estão no meio de uma multidão. Se alguém fica doido e corre e os outros trouxas imitam, você se perde facinho.
 
O que eu adoraria dizer a todos os pré-adolescentes do mundo é que segurança vem em primeiro lugar e pare de achar que tudo relacionado a criança é inferior. Se quer ser tratado como o pré-adolescente que é, mostre respeito.
 
Coisas que me deixam possessa com este anime: a falta de considerações dos adultos pelos mais jovens.
 
CARAMBA! CUSTA MUITO AJUDAR A MENINA A LEVANTAR, PERGUNTAR SE ELA ESTÁ BEM E ONDE ESTÃO OS PAIS DELA? TALVEZ SAIR DO MEIO DA "MANADA" E CHAMAR PELAS PESSOAS QUE A CRIANÇA INDICAR?
 
PÔ! VAI CAIR O BRAÇO SE FIZER ISSO, CACILDA?!
 
Nós estamos há... ZERO episódios... SEM O YUKI SUMIR DAS VISTAS DE TODO MUNDO!
 
Mano...
Mirai, quantos closes errados, né?
Tentou dar bronca na Mari, pois ela aproveitou o título de "mãe" da dupla para embarcar na balsa e... A MULHER CONTA QUE O MARIDO MORREU.
 
Por isso ela mora só com a mãe a filha.
O MARIDO MORREU E ELA PRECISA SER FORTE.
MIRAI, PODIA DORMIR SEM ESSA, NÉ?
 
E acabou o episódio!
BORA SOLTAR FOGOS! ALELUIA! ACABOU! AÊÊÊÊÊÊÊ!!!
 
Cumpri com o meu trabalho de blogueira! Agora poderei deixar meu estimado Tokyo Magnitude 8.0 descansar em paz.

Quem vê deve pensar que sou ruim ou estou desmerecendo a série.
Nada disso, leitor! Como dito anteriormente, tenho sentimentos conflitantes sobre este anime, por isso ao mesmo tempo que é um orgulho ter iniciado meus trabalhos como quality checker, também é doloroso pela carga emocional que traz e o período em que tudo aconteceu.

Apesar disso, sempre vou ter um enorme carinho por Tokyo Magnitude, que hoje me permite trabalhar com animes na parte que eu mais amo: a localização.

Bom, leitor, chega de falar disso, pois aqui EU SOU BLOGUEIRA. Bora com o Telecurso Boa Samaritana - Mari Kusakabe, pau para toda obra!
Mari Kusakabe e sua veia zoeirística. Minha senhora, assim a pré-adolescente chilica!
Mas antes disso... vamos entender um pouco mais sobre Odaiba (em inglês).
No episódio algumas pessoas se mostram preocupadas com Odaiba, acreditando que o local poderia afundar por causa do terremoto (e possíveis tsunamis).
 
O nosso trio principal nos informa que lá é uma ilha artificial, criada em cima de um aterro marítimo. Ela fica na Baía de Tóquio e é ligada à capital pela Ponte Arco-íris (Rainbow), aquela que os irmãos passaram por baixo no trem. Editado: O que passou de placa e gente falando "Rainbow" e eu não me toquei que era o nome da ponte. DESCOBRI HOJE.

Se vocês entrarem no link do Wikipédia verão imagens de alguns lugares que aparecem nesses episódios, como: o Miraikan (lugar onde acontece o evento de robôs) e a réplica da Estátua da Liberdade (turistas tiravam foto no final do primeiro episódio).
 
Certo.
O leitor que assim como eu nunca pisou em solo japonês e que provavelmente vai passar uma vergonha estilo Karasuno, precisa entender um pouquinho sobre a geografia da região.
 
As divisões do Japão são um pouco confusas, então vou tentar dar uma ideia do que cada coisa seria.

São Paulo é a cidade, Vila Mariana é o distrito e Chácara Inglesa é o bairro.
Seguindo a lógica acima: Tóquio é a cidade, Minato é o distrito e Odaiba é o bairro.
 
O nosso triozinho tretento vive na área de Setagaya (em inglês).
Os Onozawa próximos ao Parque Kinuta (em inglês) e a Mari em Sangenjaya (em inglês).

O problema dessas divisões é que os nomes "corretos" deixam tudo mais confuso.
Tóquio é região metropolitana, mas tem ares de província (que em inglês chamam de prefecture/prefeitura). Os distritos que eu achava antigamente que eram bairros (como Shibuya), na verdade, são pequenas cidades dentro da região metropolitana (como Santo André). E os lugares que eu achava que eram distritos, são áreas.

Bom, voltando ao anime, o noticiário vai mostrando o estado que ficou a região mais fortemente atingida pelo terremoto. Muitos incêndios acontecendo, muitos prédios caídos e os meios de transporte paralisados. A opção é seguir a pé e fazer paradas em pontos estratégicos que deem suporte a quem precisa.

Para saírem da ilha, eles precisam usar as balsas, já que a ponte foi danificada.
Os sobreviventes seguem pela rua entre escombros, tentando não morrer com os abalos secundários que podem derrubar o que ficou de pé pelo caminho.

O que me deixa muito chocada em Tokyo Magnitude é a falta completa de empatia das pessoas. E novamente não é pelo fato da nacionalidade, pois essa é uma visão preconceituosa. Tem gente boa e ruim em qualquer canto do planeta, nascido em qualquer cafundó.

Não sei se o roteiro foi pensado para trazer essa ideia de "adultos são egoístas" por causa da Mirai, apresentando principalmente a Mari como essa exceção, e posteriormente fazendo com que a pré-adolescente compreenda mais os pais. Bom, isso é um chute.

Acontece que neste episódio, a garota mais odiada nos comentários da CR (ok, nem tanto) acaba descobrindo um pouco mais sobre a nossa "boa samaritana".

Já sabíamos que Mari estava trabalhando pesado por causa da filha pequena e que morava com ela e a mãe. Aqui ficamos sabendo que o marido morreu e que por isso a mulher tenta criar a filha da melhor forma possível.

E é muito interessante quando a Mirai nota a mão da Mari tremendo depois que a balsa deles quase virou. Ela percebe que os adultos não são aquele poço de segurança. Eles também têm suas incertezas e medos, só que precisam se manter firmes pelos mais novos.

Ou seja, mesmo apavorada com toda a situação e temendo pela segurança da própria família, a nossa "pau para toda obra" se responsabiliza pela dupla de irmãos e ainda ajuda quem precisa pelo caminho.

E eu entendo o questionamento da Mirai, da mulher não precisar se sentir responsável pelos dois, que seria mais rápido se seguisse sozinha... É o pensamento mais provável. Então é muito interessante quando ela não se aproveita desse argumento para dar no pé.

Outro detalhe que me chamou muito a atenção foi a morte como tema recorrente.
Na vida pacífica e tediosa que a Mirai vivia, ela não precisava conviver com a morte. Tudo muda a partir do terremoto, do medo de perder o irmão, de ver pessoas morrerem na sua frente e do apego desesperado que elas têm pela vida.
Que bom que descolou uns bolinhos de arroz na loja de conveniência, né?
Saindo totalmente da sua zona de conforto, só sobra desespero, estresse e não saber o que fazer. Por isso a Mari aparece como uma figura importante nessa jornada de retorno para casa, ela é alguém com mais experiência e capaz de pensar no que fazer dependendo da situação.

Acabei não dizendo que este anime tem roteiro original, ou seja, não foi adaptado de nenhum material anterior. Apenas criado em cima de estudos e dados sobre os estragos que um terremoto de grande magnitude poderia causar, como bem diz o aviso de começo de episódio.

A arte é simples, a animação só dói quando o 3D aparece e a trilha sonora é um pouco exagerada em algumas cenas.

"Mirai" tem os mesmos kanjis de futuro (未来). É um nome certamente icônico.
O fato da personagem não gostar dele, casa perfeitamente com a sua falta de expectativas para o futuro. Quando comenta sobre a lição de férias com as amigas, ela diz que não sabe o que escrever.
 
Se a vida é um tédio no presente, imagina como seria no futuro, não é mesmo?
 
E sabe quem é que gosta do nome? O Yuki.
Alguém cheio de desejos para o futuro, que tenta mudar as circunstâncias do presente e voltar a ter um pouquinho do passado (com a família unida).

A todos que pretendem continuar o anime daqui, tirando os avisos anteriores, recomendo separar uma caixinha de lenços. Eu chorei feito uma idiota e haja lenço para contar história.

Bom, é um anime de drama, galera. Não dá para esperar muita coisa boa.

Ainda terão muitas cenas surpreendentes e encontros emocionantes.
Talvez uma lição de vida para que as pessoas amem agora e não deixem o que é importante para depois? Ou que talvez devam corrigir os seus maus hábitos agora para não sofrer com arrependimentos mais para frente?

Aí já vai de cada um.

O que eu aprendi com Tokyo Magnitude? A ser quality checker.
E a cuidar todo dia daquilo que é realmente importante para mim, até que chegue ao fim.
 
Com certeza a melhor parte de toda essa experiência foi a equipe.
Trabalhei com a tradutora Aline e com o editor Skarz, duas pessoas maravilhosas e muito compreensivas. E COMO NÓS SOFREMOS!
 
Sério, se a gente se juntar e relembrar Tokyo Magnitude, tem que tocar "Todo mundo vai sofrer" da Marília Mendonça, porque era muita desgraça reunida a cada novo episódio.

Então os agradecimentos mais que especiais deste texto vão para eles!!!
Aline maravilhosa que eu perturbei com dúvidas de tradução e o Skarz paciente que tinha que me explicar o básico do básico, porque sou tapada!

O anime até pode ser de sofrimento, mas a equipe é o puro suco do amor! ♥
 
Neste blog honramos Yuki Onozawa!
Reclama a menina que ganhou curativo de sapinho para colocar no pé.
Como que não ama e cobre de homenagens o anjinho mais lindo desse anime?
Ele é fofo, divertido, bonzinho, adorável e um irmãozinho para se amar muito!

Pode deixar que eu vou te dar todas as honras no Kimono de Ouro, bebê!

E, putz, leitor! Esqueci completamente de zoar no post, dizendo que hoje tem DOBRADINHA DE TOKYO! ehehehe

Agora foi o Tokyo dos sofrimentos e às 13h será o Tokyo das gangues escolares.
Espero que não tenha drama nessa joça também, senão eu vou bater em todos os roteiristas de animes que têm "Tokyo" no nome. ESTOU AVISANDO!
 
Confete colorido
Serpentina enrolada
Carnaval é aqui comigo
Feriadão da otakada! #CarnaKimono2022
 
Nos vemos hoje às 13h com Tokyo Revengers!
 
Por Kimono Vermelho aquela que sempre vai lembrar com carinho deste anime, apesar dos pesares... - 04/04/2022

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não é permitido aqui (ou seja, os comentários serão excluídos):
-Falta de respeito;
-Marketing (comentário genérico e marketing do seu blog);
-Ameaças (principalmente se incluir Cthulu);
-Links externos;
-E encheção de saco (aqui não é sua casa).

TENHA BOM SENSO!!!
É contrário a opinião do post ou de um comentarista, use argumentos e não bombas caseiras de recalque mais indiretas de cunho duvidoso.

P.S.: Eu costumo responder de forma humorada os comentários, então não ache que cada apontada de dedo é diretamente para o seu umbigo.

Obrigada e faça uma boa viagem na seção de comentários! o/